23 de julho de 2014

Visualizado em...

E nesses dias sinto os efeitos do amor volátil, talvez do líquido de que falava Bauman. Sinto os efeitos de quem não se compromete com o outro e de quem deixou um amontoado de dados digitais agir em seu nome.
A distância física afasta, não há remédio. E eu venho sentindo isso.
Eu venho sentindo que substituíram os abraços por likes, os conselhos e conversas carinhosas por comentários estandardizados que parecem dizer sempre a mesma coisa... Os risos gostosos nas caras rosadas viraram "kkk"s sem sentido.
Não, ninguém vai se importar se você não postar nas redes sociais. Ninguém vai querer saber se você está bem, se você não disser com todas as letras que está gripado, foi assaltado, está desempregado, sua mulher te deu um pé no rabo...
Não, ninguém vai te ajudar se você não implorar, se você não mandar um inbox pedindo ajuda (porque inbox é a coisa mais próxima de uma conversa franca que se tem atualmente).
Portanto, quando as pessoas me perguntam o porquê de eu não interagir muito mais através das redes sociais, tenho apenas uma coisa a dizer: interajo na medida que isso me sirva como forma de expressão, fruição ou veículo de informação (nesse último caso, a partir de páginas específicas de notícias, instituições ou artistas). Todo o resto tem me parecido incrivelmente tedioso atualmente.
Lembro-me que na época do agora extinto Orkut eu cheguei a redigir - em papel - mensagens para os meus amigos mais próximos dizendo o que senti quando os conheci e o que representavam pra mim. Pra muitos pode soar piegas demais, pra outros pode parecer até que eu tava forçando a barra, mas a verdade é que sinto saudades do compromisso das pessoas com os outros e é por isso que eu realmente quero ser professor um dia. Em teoria, é uma das profissões na qual você tem compromisso direto em se dedicar ao outro. Digo "em teoria" porque todos nós sabemos que nem sempre é assim.
Sei que muitas vezes é difícil não recorrer às redes sociais para interagir, principalmente no que se refere à distância física entre duas pessoas. Mas a questão não é exatamente as redes socias como meio, mas sim como as pessoas lidam com ela, o fato dos amigos se tornarem apenas insígnias no seu mosaico de contatos. Você assume a ideia de que estarão lá pra sempre caso precise ou não deles.
Talvez isso não faça sentido nenhum, talvez faça. E talvez eu esteja escrevendo isso apenas motivado pelas saudades que tenho de tantos que sumiram em meio a esse monte de dados.
A única coisa que sei é que verdadeiramente os amo ou os amei. E se há alguma dúvida nisso... bem, mande-me um inbox mesmo, caso não haja outra maneira. :/

Thales Estefani,
número de destino 2, convicto.


A respeito do tema, assistam a esse vídeo de uma entrevista do Zygmunt Bauman:

7 de abril de 2014

Desequilibrando

Hoje mudei o nome deste blog. Mas, pra quê mudar o nome depois de tanto tempo?
Estou por aqui desde 2008...
Na iminência de me tornar um cara com um quarto de século, creio saber bem mais sobre eu mesmo do que há anos atrás. Entendo, agora, que algumas características são importantes pra me definir.
O desequilíbrio é aquele instante em que se está entre a queda e a retomada, aquele instante em que o seu corpo (ou sua mente, no caso de um desequilíbrio metafórico) pode sucumbir diante da gravidade ou relutar para permanecer estável.
Todo mundo pode identificar situações em que se desequilibrou. Mas, particularmente, reconheço nesse instante algo tão próprio... Estou a todo momento buscando me estabilizar sobre algo (não se esperaria nada diferente de um número 4, estável como os pés da mesa). Apesar dessa busca, há em mim um desejo pela revolução (interna e externa), um desejo por esse instante do desequilíbrio, taquicardiamente renovador. Mas eu não caio. Minha pulsão não é suicida, ela é regenerativa. Eu preciso continuar me equilibrando, mesmo que siga a direção oposta da que seguia antes.
É como se, em vez de uma corda bamba, eu me equilibrasse sobre uma viga. Uma viga de perfil T. T de Thales. T, a letra em constante equilíbrio. A perfeita metáfora entre a estrutura e a oscilação.
É que eu gosto de núvem, mas também gosto de chão. Gosto de pedra, fumaça e construção. Vapor e aço.
O Desequilíbrio T representa essa confusão. O DesequilibRIOT é minha manifestação.


1 de fevereiro de 2014

Ilustração e o tempo

Recentemente tive meu primeiro artigo publicado. Uma conquista que me alegra muito!
Ele está disponível no endereço da Revista Z Cultural, que é a revista do Programa Avançado em Cultura Contemporânea da Escola de Comunicação da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro).
O trabalho trata das formas gráficas de expressão e representação do tempo (cronológico) nas ilustrações de livros-imagem, que são aqueles livros em que há apenas ilustrações, sem palavras.
Para essa análise eu utilizei a obra do ilustrador Roger Mello.

Espero que achem interessante! :D

29 de janeiro de 2014

Crônica: Em defesa da possibilidade da tinta acrílica ser o que eu quiser!

 Toyart do gato Nicolau ( © 2013 Thales Estefani. Todos os direitos reservados, via Behance.)
 
Num sábado qualquer de dezembro eu precisava de tinta acrílica.
Um amigo oculto self-made estava marcado para alguns dias após e tive a ideia de fazer um toyart do bicho de estimação do meu amigo para presenteá-lo. O gato Nicolau.
Seguindo a técnica de construção de toyart com materiais de baixo custo, que aprendi com Rogério Camolez, precisava de tinta acrílica para pintar o gato. A técnica em questão já foi aperfeiçoada e utilizada amplamente pelo próprio Rogério, e eu mesmo já havia construído um toy seguindo essa técnica durante um workshop.
Eis que, ao entrar em uma loja ESPECIALIZADA em materiais para artes gráficas (“especializada” assim mesmo, em caixa alta, pra assustar) e buscar pelos potes de tinta acrílica fui abordado por uma vendedora que me questionou “Desculpa perguntar, mas para quê você quer essas tintas?”. Eu, inocentemente, respondi que era pra fazer um toyart e ainda tentei explicar, com um sorriso estampado no rosto “É tipo um boneco, uma escultura pequena”. A vendedora, no alto de todo o seu conhecimento sobre materiais (ou não), simplesmente tirou as tintas que estavam na minha frente, em cima de um balcão, dizendo “Não, essa tinta não vai servir pra isso!”.
Ora, mas o que é “servir” em arte? Que tipo de subserviência da criação ao material é essa imaginada pela vendedora?
Na escola a gente aprende desde pequenininho que o lápis preto, de grafite, é pra escrever. O outro, colorido, é pra pintar. Que só é sério o que está escrito à caneta. Que a tinta a gente pega com o pincel... Mas na escola a gente também aprende que pode colocar o giz de cera na chama da vela pra pintar com gotas fluidas de cor, que a lixa de madeira pode ser papel, que dá pra pintar com os dedos e com as mãos lambuzadas de tinta. Só temos essas duas visões do material na escola porque lá é o lugar de experimentar e saber se você vai querer, pro resto da sua vida, seguir as regras, destruí-las ou reinventá-las... porque, afinal de contas, nem existem materiais específicos pra arte. Existem materiais específicos para artesanato.
Porque o artesanato é diferente da arte. O artesanato deve ser o que você espera dele. A arte deve ser tudo o que você não esperava.
Imaginem se alguma vendedora dissesse para Yves Klein que ele não poderia pintar com o corpo de outras pessoas, que não poderia tacar fogo nas pinturas, que não poderia pintar com abrasões meteorológicas... Claro que eu estava em uma posição bem mais medíocre que Klein, porque queria apenas fazer um toyart. Porém, me impedir de comprar algo para realizá-lo é como tacar uma maçã na boca de um político durante um discurso “blablazento”. Alguns até merecem, mas isso não se faz.
É claro que, esperar que a vendedora da loja se questionasse sobre o fazer artístico ou sobre uma subserviência ou não da matéria-prima é pedir muito. Mas, poxa, se nem a lógica capitalista fez com que ela me vendesse as tintas, mesmo que não servissem pra mim, apenas para lucrar mesmo, creio que eu possa classificá-la como uma péssima vendedora.
E o final da história?
Falei “Ta certo”, virei as costas e nunca mais entrei pela porta daquele lugar. Comprei tudo que eu precisava naquelas grandes lojas onde não há questionadores, você pega tudo o que quer, passa no caixa e “Boa tarde!”.

Thales Estefani
Geraldinho Nosferatus, outro toyart pintado com tinta acrílica ( © 2013 Thales Estefani. Todos os direitos reservados, via Behance.)


Crônica originalmente publicada no blog FÊMUR em 26 de janeiro de 2014.
http://femurarte.blogspot.com.br/
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...